Deus: Amizade versus sociedade

Relacionamento amigável ou relacionamento contábil?

Na amizade o relacionamento se basta. O relacionamento é o fim em si mesmo. Amigos se juntam para estarem juntos. Sair para comer, assistir um filme, ou fazer qualquer outra coisa é um meio ( desculpa ) que inventam para estarem juntos e não a finalidade. Eles gastam tempo e dinheiro para estarem juntos.

“Na amizade não existe o medo, pois a amizade lança fora todo o medo… na amizade há liberdade” { paráfrase }

Na sociedade o relacionamento não é o fim, mas um meio para conseguirem algo do outro. Sócios se reúnem para discutirem interesses e não para se reunirem. Sócios não gastam tempo e dinheiro para o relacionamento, sócios gastam relacionamento para conseguirem tempo e dinheiro. O relacionamento para o sócio é um fardo… um mal conveniente. O interesse do sócio não é só dinheiro e bens, mas reputação, influência e status. Para ele, o sair contigo é um tipo de: “vamos lá para não ficar chato”. Ele não tem prazer na companhia, mas no que que se ganha com ela ou no que se perde sem ela.

Louvo a Deus por ter pessoas que me querem, pessoas que gastam tempo e dinheiro comigo. Pessoas dão-me o prazer de sentir-me em casa. Pessoas que me toleram a despeito dos meus erros. Pessoas que toleram meus dilemas e chatices… pessoas que aguentam meus pum’s.

Há “amizades” que são sociedades.
Há “casamentos” que são sociedades.
Há “famílias” que são sociedades.

E infelizmente há relacionamentos com Deus que são sociedades. O discurso do sócio de Deus é: “Faço porque Deus manda”. Ele não faz pelo prazer do fazer, mas com medo do prejuízo que pode ter por não fazer ( inferno, devorador, maldição etc… ) ou pela recompensa ( céu, benção, “cem vezes mais… ) que pode ter por fazer. É um relacionamento contábil.

O amigo de Deus faz pelo fazer, ora pelo orar, comunga para comungar. Na amizade com Deus a comunhão é o fim, não o meio.

“Já não os chamo de servos/sócios, chamo-os de amigos…” { paráfrase }

Ele é seu amigo. Você é amigo dEle?

Alguns dos meus planos para 2016 falharam. Que bom que falharam. Alguns foram para além do que planejei. Louvo a Deus por isso.

Retrocedi, exagerei, falhei, levantei, mudei de idéia e opinião muitas vezes; é que ainda não sou resolvido. Como Rubem Alves disse: “gente resolvida é gente morta” eu ainda estou em construção, evoluindo… crescendo.

Que 2017 sejamos pessoas melhores; o tempo não muda, o que muda são pessoas.

Quero ser uma pessoa melhor para todos vocês. Principalmente para os mais próximos!